Um caso de cistite felina curado com amor homeopatia AN

Maurice chegou para consulta em maio de 2012 apresentando infecções urinárias repetitivas em decorrência de uma cirurgia e … bem, vou contar a história de amor entre ele e sua tutora Gabriela antes de qualquer coisa, pra que entendam porque essa história me é tão especial, além do resultado maravilhoso da homeopatia, nutracêutica e nutrição natural que conseguimos com ele após a introdução dessas terapêuticas.

Gabriela mora no Santinho, aqui em Florianópolis e sempre está muito atenta aos peludos da região. O gato amarelo tigrado que vivia na casa na frente de seu prédio, era alimentado por um  vizinho e ela complementava essa alimentação, além de dar-lhe carinho, atenção

e uma boa prosa diariamente. Passou a reconhecê-la e saudá-la em suas saídas e chegadas. Quando Gabi apontava no início da rua, ele já estava atento para saudá-la, miando e “falando” com ela de forma loquaz e detalhada.

 

Um dia Gabriela ouviu miados muito altos vindos de um terreno nas proximidades e sabia ser o miado dele. Ao encontrá-lo logo percebeu que ele estava com problemas muito sérios, pois miava de dor, estava muito estranho e ela não hesitou em chamar um veterinário para atendê-lo.  Mawrice, esse era o nome dado por Gabi a ele depois que ficaram íntimos, havia feito uma obstrução de uretra por cálculo e passou por uma cirurgia de emergência e alto risco de morte pois sua uretra havia rompido e em questão de horas ele estaria morto. Graças a ação imediata de Gabi e a destreza cirúrgica do Dr. Felipe P. Gonçalves. Maw sobreviveu e restabeleceu-se após uma semana de internação. Ao sair da clínica foi levado direto para a casa de Gabi, sob seus cuidados e daquele dia em diante, para sempre.

 

Com a ruptura da uretra dele o cirurgião teve que desviar o restante de uretra que lhe sobrou e ele passou a urinar por um orifício “construído” cirurgicamente  localizado na região do ventre. Essa nova forma de urinar levou algum tempo para ser compreendida e assimilada por ele. Passou algum tempo urinando por onde deitava, sem o controle do novo esfíncter construído cirurgicamente,  mas depois desse tempo apresentou-se incrivelmente adaptado e hoje tem completo controle da sua micção.

Em maio de 2012 recebi a visita de Gabi e seu querido Maw, 1,5 após a cirurgia. A queixa de Gabriela era de que ele  vinha passando por sucessivos quadros de cistites desde a cirurgia e cada vez que isso acontecia e sua urina ficava com sangue e ele apresentava dor, tinha que ser medicado com antibióticos, com uma freqüência cada vez maior, com episódios mais longos e menos responsivos aos antibióticos que antes traziam alívio rapidamente e agora não funcionavam mais completamente. O orifício no ventre por onde saia a urina, vivia irritado, assado, com sangue misturado a urina e ele urinava em gotas, tinha incontinência e dor nesses episódios, mostrando-se bastante incomodado.

Então introduzimos a homeopatia, a alimentação natural e os nutracêuticos na vida desses dois seres especiais e os resultados foram exuberantes: Maw que vivia esfomeado e GRITANDO atrás da Gabi e pedindo comida o dia todo, passou a alimentar-se de alimentação natural crua, passou a ficar satisfeito e deixou de berrar como louco atrás dela. O pelo do bichano virou

uma delícia sedosa, e ele era um novo gato, ativo e brincalhão, sem sangue na urina, sem manifestações de desconforto e dor e SEM ANTIBIÓTICOS!

 

Depois de um ano sem  notícias ruins dele, em maio último Gabi me pediu que o consultasse novamente pois ele havia reiniciado com sinais de cistite, com uma urina mais escura, que irritava a pele perto do orifício, apetite caprichoso (manteve a AN crua desde a nossa primeira consulta) e novamente introduzimos a homeopatia e alguns antioxidantes, vitaminas e suplementos pra ajudá-lo a restabelecer a função urinária e o equilíbrio anímico do falante e querido bichano.

 

Acho que histórias como essa, de uma parceria entre homem-animal tão amorosa e de tanta cumplicidade, regada a um cuidar responsável e integral, a uma mudança de atitude tão pontual e precisa,  trouxeram ao Maw a qualidade de vida perdida. Após tantos anos de alimentação industrializada tão equivocada e nociva temos visto cada vez mais felinos com alterações em suas funções urinárias e com formação de cálculos na urina, evoluírem para insuficiências renais que fatalmente levam esses bichanos ao sofrimento e a morte precoce. Alimentar nossos mascotes com alimentos o mais próximo possível de sua natureza, garantir-lhes acesso a uma água de qualidade, dar-lhes condições de exercerem sua “gatice” é a forma mais integral de proporcionar-lhes qualidade de vida e evitar doenças.

 

Namastê!